“Eles cantam, eles dançam, eles dão trabalho a uma fábrica”


Uma história deste século: a luta dos operários contra o fecho da sua fábrica. Um filme perplexo - as interrogações sobre o trabalho, o capitalismo, o futuro da actividade humana - mas libertador. No interior desta fábrica há gente a falar, a dançar e a cantar. A Fábrica de Nada, filme colectivo sobre o colectivo, e em trânsito entre a ficção e o documental, é já um acontecimento desta rentrée.

Na próxima sexta na Ípsilon.